sábado, 30 de setembro de 2017

Quadrilha junina no Ensino Médio Noturno

Esse foi um grande desafio pra mim como professora este ano. Há mtos anos não fazia uma quadrilha junina nas minhas aulas de EF. Lembro que na primeira escola que trabalhei em Brusque, no Theodoro Becker , fiz uma quadrilha com alunos de 5o.ano e até outra musiquinha para apresentação nos festejos juninos. 
                                                              

Gostei mto do que aconteceu na EEB Profa. Maria da Glória Pereira com alunos do ensino médio noturno. Foi um sábado bem diferente !

                          

Coordenação das Oficinas CEAC na Praia de BC

Comecei em janeiro deste ano nesse trabalho e fiquei na função até maio. Deixo aqui esse vídeo que foi visto pelos professores do CEAC - Centro Educacional de Atendimento no Contraturno / Projeto Oficinas em atividade pedagógica.



sexta-feira, 17 de março de 2017

Educação Física no Ensino Médio

https://www.slideshare.net/AneliseBeatrizGamba/sedentarismo-eeb-maria-da-glria-79662074 

 Aula com uso de recurso midiático na 208, com conteúdo favorecendo a saúde do nosso educando!
Gostei mto! Os alunos devem fazer o cálculo do seu IMC(índice de massa corporal) e entregar/enviar para  :  anelisebeatriz@gmail.com

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Educação e Prevenção de Acidentes no Mar

Hje em reunião de trabalho no CEAC - Projeto Oficinas lembrei sobre a importância de aprender como ajudar uma pessoa em uma situação de acidente no mar. Nós professores no Projeto Surf fomos em dezembro de 2008 à Curitiba para um curso de Salvamento Áquático, o que promoveu a realização de palestras e algumas ações com nossos alunos para aprendizagem de sinais que fazem a comunicação no mar, como reconhecer uma corrente de retorno, levando conhecimento para a prevenção de acidentes no mar.


Entrevista na TV qdo Prof. Osni Guaiano veio à BC e fez palestra aos alunos do Projeto Surf.

PROJETO SURF: UMA PROPOSTA EDUCACIONAL ATRAVÉS DO ESPORTE PREVENINDO ACIDENTES NO MAR

Autores: Anelise B. Gamba[1]; Alysson Lang; Gustavo Leipnitz; Luiz A. Meneghelli; Rodrigo Mainieri; Mário Martins Neto
Secretaria Municipal de Educação de Balneário Camboriú / SC

Estudos indicam que a existência do afogamento entre crianças e jovens é fato estabelecido, tornando necessárias medidas educacionais na infância. Há consenso entre inúmeros pesquisadores de que a prevenção necessita ser entendida como parte integrante do processo de formação do cidadão. O que importa é o desenvolvimento educacional das crianças, as quais, em condições ideais, podem contribuir de forma significativa para mudança de comportamento social, portanto, a reflexão da educação para a saúde deve se fazer presente nos ambientes escolares e projetos extraclasses. A proposta do Projeto Surf (PS) é oportunizar a aprendizagem da modalidade de identidade do Município, oferecendo equipamentos essenciais à prática, e ensinar aos alunos como reconhecer, prevenir e agir diante dos perigos no mar, e com isso ampliar a prevenção dos acidentes. Esta investigação é em parte descritiva e também interpretativa, pois queremos observar o resultado da aplicação de um questionário, 30 dias após o ínício do PS. Examinamos a bibliografia e dados da Secretaria Municipal de Educação de Balneário Camboriú (SEDUC). Os dados coletados foram tratados com ajuda do software Microsoft Excel. Na atualidade, a SEDUC contém 15329 alunos matriculados, 62,82% estão no Ensino Fundamental, 5,97% no CEJA e 31,31% na Educação Infantil. Dos registros na SEDUC, 1,62% estão inscritos no PS. Nossa amostra contém (n=177) sujeitos matriculados no PS, com idade média de 11,17 anos, sendo 67,80% meninos e 32,20% meninas. Dos participantes, 28,25% afirmaram que a corrente de retorno se caracteriza pela menor quantidade de espuma e de ondas. Quanto aos sinais de emergência, 76,27% asseguraram que, dentro da água, elevar o braço acima da cabeça indica pedido de socorro imediato. Em relação a costa de Balneário Camboriú, 59,32% certificaram que a praia é rasa. Sobre a prancha de surf, o brinquedo, 45,20% garantiram que as triquilhas (5.11 e 6.2) são as mais indicadas para iniciação do surf. Perguntado sobre quem é considerado o pai do surf, 35,59% confirmaram Duke Kahanamoku. Estes resultados são parciais na apreensão dos conhecimentos aplicados nas aulas do PS, sendo prematuro afirmar que o PS diminua os acidentes no mar. Do mesmo modo, com o envolvimento dos profissionais de Educação Física diversificando técnicas da cultura corporal de movimento na água, é o Projeto Surf um instrumento facilitador que dissemina a prevenção de acidentes no meio aquático e amplia a autonomia da criança. Para o jovem surfista vai se construíndo a consciência quanto a ajudar pessoas em risco de afogamento, utilizando-se dos elementos do surf no salvamento aquático. A segurança na água é tão importante quanto a segurança no trânsito, segurança pessoal contra a violência, pois o lazer do nosso povo está nas praias e piscinas e o homem por si só não garante a humanização desses espaços.

Palavras-chave:
 surf – educação – esporte – prevenção – afogamento.

Fonte:
 GAMBA, A et। al. Projeto surf: uma proposta educacional através do esporte prevenindo acidentes no mar. In: Congresso Científico do 8º Fórum Internacional de Esportes, 6., 2009, Florianópolis. Anais. Florianópolis: UNESPORTE, 2009. P. 28.

[1] Prefeitura Municipal de Balneário Camboriú / Coordenação de Ed. Física/SEDUC Balneário Camboriú - SC - Brasil. 

domingo, 23 de outubro de 2016

Paralimpíadas e Esporte Adaptado

Retornando à escola CEM Vereador Santa em outubro, trabalhamos sobre as Paralimpíadas Rio2016, lembrando que acontece um evento paralelo, do prefixo 'para', ao megaevento olímpico, com as modalidades do paradesporto. Os heróis paralímpicos brasileiros devem ser lembrados e mto pudemos aprender com as modalidades paralímpicas.
Falei aos alunos que tbém temos os eventos escolares do paradesporto aqui em SC o PARAJESC na categoria de 14 a 17 anos, e em BC tbém já aconteceu o PARAJEBC. Bem como temos o evento aberto no nosso estado, o PARAJASC.
É importante lembrar que os atletas com deficiência devem ter a sua classificação funcional determinada por alguns testes, exames feitos com fisioterapeuta, que definem sua categoria para competirem entre os seus adversários de acordo com sua limitação. Por exemplo dentro das provas de corrida do Atletismo uma atleta com deficiência física pode se classificar na categoria T34, e o deficiente visual e seu guia competem em outra categoria.
Os alunos puderam assistir os vídeos na sala de informática, observando as particularidades do paradesporto e observando algumas modalidades paralímpicas, além de um depoimento de uma pessoa que teve uma transformação na sua vida por um acidente e tornou-se atleta paralímpico.

Lema do Movimento Paralímpico: Espírito em Movimento !




E assistiram um pouco de um jogo do Basquete de Cadeirantes(cd) no PARAJEBC de 2007.

domingo, 21 de agosto de 2016

Rio 2016 e o legado olímpico.

Eu e minha filha judoca Maria, estivemos no Rio de Janeiro. Sentimos a emoção do Esporte e a diversidade cultural reunida na cidade maravilhosa! Perceber pessoas falando em inglês no metrô, hermanos argentinos,  mtos franceses e australiano vestido de canguru! Tentamos visitar a Casa da Suíça, mas como qualquer ponto turístico e atrativo teríamos que ficar mto tempo nas enormes filas...Até nos arcos olímpicos ou símbolos de Rio2016, fizemos as fotos meio de lado mesmo porque as filas eram longas. Entrar nas mega stores nem pensar! Poderíamos perder os ingressos e acabar sem ver os jogos!
Com o cartão Riocard pudemos andar de trem, metrô, BRT, VLT...
Para Deodoro seguimos no trem partindo da Central. 'Halls a um real, hallls a um real!' Deveria mesmo ter feito uma gravação de tantos ambulantes que entravam e circulavam nos vagões. Vimos o Hóquei sobre a grama masculino e Rugby feminino. No primeiro dia de JO as dificuldades foram com a alimentação. Poucos pontos e mta gente! Comia ou entrava para assistir os jogos. Sem opção, era um hamburger mto caro e segurar a fome! Mas o show do esporte compensou!O Hóquei me encantou, pois o uso do taco torna a corrida atrás da bolinha mais atraente. Com marcações parecidas ao Handebol e tática dos jogos de invasão. Vimos a equipe feminina de Rugby do Brasil! Fiquei impressionada com a força física das atletas inglesas entre outras.
Tivemos o imenso prazer de ficar na casa da prima Denize que nos acolheu bem demais! Maria ainda se apaixonou pelo seu Léo, o cãozinho shitzu. 
Passeamos em Copacabana, e vimos o mundo ali!
Para o Parque Olímpico com uma linha especial no metrô até a estação Jardim Oceânico para então ir com o BRT, e depois de andar um bocado, sinta-se no mundo dos Esportes!Eu que estive em Londres2012 digo que não deixou nada a desejar. Vimos na Arena do Futuro o Handebol masculino, FRA X TUN, um jogão! Depois o Egito com Eslovênia. Mas o melhor estava por acontecer na manhã de segunda na Arena Carioca2 com o Judô. Alex Pombo e Rafaela Silva! Mudamos de lugares algumas vezes dentro da arena , olhamos de um lado, de outro e encontramos Ezio Gamba, o campeão olímpico italiano , agora dirigente na Rússia. Chegando para conversar em inglês mas logo a conversa fluiu e mto bem em italiano! Nossa origem do norte da Itália, o interesse pelo Judô, a vida com o Esporte! Grazie mille! Maria ganhou um pin da equipe russa de Judô!
Mais Handebol feminino e do Brasil! Há mto tempo via livros que mostravam imagens do Handebol da Romênia, e estava ali vendo seu jogo. Depois Espanha x Noruega. Foram grandes jogos!
Fomos ao Boulevard Olimpico, tinha samba no palco. Andamos no VLT, o transporte moderno!
Deixamos Rio2016 e trouxemos boas lembranças! A cidade evoluiu com os JO na sua estrutura física. Mas os valores olímpicos, amizade, respeito e excelência, a união entre os povos através do Esporte, o espírito olímpico, que fortaleça a importância do esporte na formação das crianças e jovens em busca de cidadãos éticos, esse sim é o maior legado que Rio2016 deixa para os brasileiros! Criança tem direito ao Esporte, que é ferramenta de transformação social! Viva o Esporte!


Rio2016, do Bolt, do Phelps, da Biles, da Rafaela Silva!
Imagem de London2012, que venha Tóquio2020!

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Rio2016 no CEM Vereador Santa


Depois de alguns vídeos sobre a organização dos JO, a Tocha olímpica, o percurso da tocha, o Programa Transforma, passamos para as modalidades olímpicas.




video
Alunas Jannis/8A e Alana/8C

Os alunos tiveram um intersalas de Handebol, nos seus períodos, matutino e vespertino, em duas categorias 6º e 7ºs anos/ 8º e 9º anos, nos dois naipes, feminino e masculino.
video

Os alunos também puderam conhecer regras, técnicas, e experimentar o Rugby, com o BC Rugby equipe da nossa cidade.





O 9D ainda teve apresentação de slides do Transforma/Rio2016 na sala de informática do Hóquei sobre a grama.
https://www.rio2016.com/educacao/sites/default/files/transforma_0114_baixa-1.jpg